segunda-feira, 10 de novembro de 2014

Escrita em Cadeia: Vencedores

Depois de terem sido votados os 3 melhores textos pelos alunos, destacando os textos produzidos pelas turmas: 5ºF (texto 9), 5ºG (texto 10) e 9ºG (texto 7), coube aos professores votarem no seu preferido.
E o vencedor é... ... ... o texto 10!
Parabéns aos alunos do 5º G que construíram uma narrativa fantástica !
Já agora o excerto que tinham de continuar era de A Sombra dos Ventos de Carlos Zafón.
Aqui fica o texto vencedor:


― Este lugar é um mistério, Daniel, um santuário. Cada livro, cada volume que vês, tem alma. A alma de quem o escreveu e a alma dos que o leram e viveram e sonharam com ele. Cada vez que um livro muda de mãos, cada vez que alguém desliza o olhar pelas suas páginas, o seu espírito cresce e torna-se forte. Há já muitos anos, quando o meu pai me trouxe pela primeira vez aqui, este lugar já era velho. Talvez tão velho como a própria cidade. Ninguém sabe de ciência certa desde quando existe, ou quem o criou. Dir-te-ei o que o meu pai me disse a mim. Quando uma biblioteca desaparece, quando uma livraria fecha as suas portas, quando um livro se perde no esquecimento, os que conhecemos este lugar, os guardiões, asseguramo-nos de que chegue aqui. Neste lugar, os livros de que já ninguém se lembra, os livros que se perderam no tempo, vivem para sempre, esperando chegar um dia às mãos de um novo leitor, de um novo espírito. Na loja nós vendemo-los e compramo-los, mas na realidade os livros não têm dono. Cada livro que aqui vês foi o melhor amigo de alguém. Agora só nos têm a nós, Daniel. Achas que vais poder guardar este segredo?
_Sim, ninguém vai saber deste nosso segredo. Mas o que têm de tão importante estes livros?
_Queres mesmo saber?
_Sim.
_Estes livros são mágicos.
_Mas então porque é que ninguém os quer?
_Daniel, ninguém os quer porque não sabem o que eles são.
_Então, por que é que não organizamos uma feira de livros? Pode ser que alguém os queira.
_Podemos tentar!
No dia seguinte, Daniel e o amigo, de manhã cedo, começaram com a feira e tiveram muito sucesso.
A partir daí todas as pessoas começaram a ter mais conhecimento sobre os livros.
Certo dia, um homem horrível apareceu na cidade e tentou roubar os livros das pessoas, porque ele sabia que eram mágicos.
No dia seguinte, toda a cidade apareceu destruída e os livros desapareceram. Todos os cidadãos foram à procura do homem que tinha roubado os livros mágicos. Mas ninguém o encontrou. As pessoas daquela cidade ficaram muito desiludidas, porque eram os livros que davam vida e cor à cidade, até as próprias pessoas começaram a ficar muito tristonhas. Todos os cidadãos decidiram ir fazer queixa ao rei e quando o rei veio cá fora reparou que a sua cidade estava toda a preto e branco, incluindo o seu castelo.
O rei teve de tomar uma decisão. Reuniu todo o seu povo no castelo para elaborarem um plano para apanhar o homem.
_Quem se oferece para ir com os meus homens ao castelo assombrado apanhar o homem que roubou os livros?_ Perguntou o rei.
_Nós!_ Disse o Daniel e o amigo.
Na tarde seguinte, os homens do rei, o Daniel e o amigo foram ao castelo assombrado à procura do homem que tinha roubado os livros.
Quando lá chegaram, eles viram que a cidade era toda ela em tons de preto e branco.
Então entraram cheios de angústia.
_De certeza que o senhor roubou os nossos livros para que a sua cidade ficasse colorida! _ Exclamou o Daniel e o amigo.
_Estão a ver como acertaram!_ Disse o homem.
_Desculpe mas o senhor é o rei desta cidade?_ Questionou o Daniel curioso.
_Sim, sou. _ Respondeu o homem.
Os guardas do rei que estavam com Daniel conseguiram apanhá-lo e levaram os livros todos para a cidade.
Depois, o rei do castelo colorido mandou reconstruir a cidade. Fizeram novas casas e novos livros, mas ninguém queria deixar de ter os livros mágicos.
O rei decidiu fazer um referendo para ver se ficavam com os livros mágicos ou com os livros novos.
Marcaram o dia do referendo. Os livros mágicos venceram com uma esmagadora maioria, pois sabiam que sem eles a cidade ficaria sem cor.
Descontentes, os cidadãos que queriam os livros novos decidiram mudar-se para a cidade do homem que lhes tinha roubado os livros mágicos. Depois, passado alguns dias, juntaram-se e foram lutar contra a cidade colorida. A guerra decorreu durante dias, mas finalmente a cidade colorida vencera a batalha.
O rei da cidade colorida mandou os seus guardas prender as pessoas que se tinham voltado contra ele e ficou muito desiludido.
Todavia, essas pessoas arrependeram-se. Pediram desculpa ao rei e ele desculpou-as, libertando-as da prisão.
E as pessoas da prisão ficaram muito contentes por estarem novamente livres, mas tiveram um castigo. O castigo que o rei lhes deu foi limpar o castelo todo à mão com escovas dos dentes em uma hora.
 As pessoas ficaram a olhar para o rei e ele disse:
 _Vão já trabalhar, têm aqui as escovas dos dentes! _O rei logo de seguida pensou sussurrando… se calhar, eles demoram mais tempo a limpar o castelo com as escovas.
Na verdade, o rei ficou bastante surpreendido, porque as pessoas limparam o castelo em menos de uma hora.
Acabaram todos felizes e viveram no seu reino colorido.